sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Paradoxos da Igreja brasileira

Hoje em dia a igreja vive dois grande paradoxos:
Dos "Mercenários da fé" e dos "Consultores da fé".
Os primeiros são exatamente aqueles que usam a noiva(igreja) para o seu próprio proveito, para tornarem-se ricos baseados em uma teologia sem base nas Escrituras, que esquece completamente do amor e da compaixão ao próximo, fazendo um culto a Mamon dentro das próprias igrejas. 
Por outro lado um outro fenômeno, mais recente e em contra ponto ao primeiro exemplo, estão os "Consultores da fé". São aqueles que gostam de observar e comentar os erros da igreja, que tratam irmão de forma inferior, como se fosse possível no Reino de Deus, que equalizam as coisas deste mundo ao mesmo nível das espirituais, pois usam a "teologia" distorcidamente para justificar o seu mundanismo (teologia para justificar a bebida, teologia para justificar a balada, teologia para justificar a música, teologia para justificar o palavrão, teologia para justificar o sexo fora do casamento, teologia para justificar o adultério...). Estes também em "nada" contribuem com a igreja, pois não gostam de servir, de estender a mão, escondendo-se muitas vezes atrás desta cortina de uma falsa maturidade, sufocam o Espírito, para não precisarem entregar suas vidas por inteiro, pois não gostam de por a mão no arado, de servir.

Tão simples: Assim como não é o valor da contribuição que vai abençoar ou não, também não é qualidade técnica das pregações e do louvor ou a falta dela que fazem a diferença no Reino, mas sim um coração sincero, quebrantado e totalmente entregue a Cristo, sem demagogia.

A igreja precisa de servos que sirvam, pois se não serve, não serve. Pessoas que tenham vidas santas de verdade.
Pois o ministério do filho de Deus ninguém quer pra si: SERVO.

“o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida pela redenção de todos” (Mc 10,35-45)

Precisamos ser como o Mestre.

Que Deus tenha misericórdia da Sua Igreja!

Um comentário: